A Audiometria

Quando temos alguma dificuldade para ouvir, podemos ter uma perda auditiva. Essa alteração ocorre por problemas no sistema auditivo e vestibular e pode ser diferente para cada frequência de som, que varia entre sons graves e sons agudos. Dessa forma alguns indivíduos podem ter mais facilidade para entender vozes mais graves ou o contrário.

Para avaliarmos uma perda de audição podem ser realizados os seguintes exames:

  • Pesquisa do Reflexo Cocleo-Palpebral (para crianças de até 03 anos);
  • Teste de Localização Sonora (para crianças de até 03 anos);
  • Audiometria Tonal (Condicionada no caso de crianças entre 03 e 06 anos);
  • Audiometria Vocal para pesquisa do limiar de discriminação;
  • Audiometria Vocal para pesquisa do limiar de inteligibilidade;
  • Imitanciometria

Os dois primeiros testes são avaliações comportamentais que podem nos dar dados sobre a integridade da via auditiva e o desenvolvimento auditivo das crianças.

Pela audiometria tonal descobrimos o volume mínimo que escutamos em cada frequência testada de tons graves a tons agudos. Com o resultado pode-se ter ideia dos sons que temos mais dificuldade e assim é possível ajustar a frequência da televisão para obter sons mais graves ou agudos ao invés de só modificar o volume do som, por exemplo.

Os testes de fala (audiometria vocal) avaliam a capacidade para compreender a fala, esse teste é complementar, pois ao invés de ouvir os apitos (chamados tons puros) você irá ouvir diferentes palavras em volumes distintos e que você terá que repeti-las. O resultado mostrará o quanto você ouve e entende normalmente numa conversa.

Outro teste que complementa a avaliação auditiva é a imitanciometria ou impedanciometria, que envolve a timpanometria e a pesquisa do reflexo estapediano. A timpanometria permite diagnosticar e monitorar problemas do ouvido médio, além de avaliar a resposta do ouvido aos sons e à pressão. O reflexo estapediano tem a função de proteger a cóclea quando o ouvido é exposto a um som de intensidade muito elevada, a pesquisa avalia as vias que o som percorre.

Existem perdas de audição que são por problemas da membrana timpânica ou nos ossículos que ficam atrás da membrana, normalmente causadas por infecção auditivas, e as que ocorrem por uma degeneração da orelha interna causadas pelo envelhecimento ou por ficar muito tempo exposto a ruídos. Dependendo da causa do comprometimento pode ser necessário realizar algum tratamento otorrinolaringológico e serão indicadas medidas de prevenção para evitar possíveis pioras.