Treinamento Auditivo em Cabine

O processamento auditivo central refere-se à funcionalidade que se fornece às informações auditivas recebidas(1), sendo muito importante no desenvolvimento da linguagem e na construção de aprendizagens. Porém, para se dar funcionalidade a essas informações, precisa-se que as habilidades auditivas estejam integras e eficazes.

O Distúrbio do Processamento Auditivo Central (DPAC) acontece quando algo afeta, de forma adversa, o processamento da informação auditiva. Esse distúrbio faz com que ocorra uma dificuldade na interpretação dos padrões sonoros e pode conseqüentemente ocasionar prejuízos na compreensão das informações, alterações no comportamento e, em decorrência, o fracasso escolar.

Na área da audição, especialmente nos DPAC, a Fonoaudiologia tem acompanhado as mudanças tecnológicas e desenvolvido software para reabilitar seus pacientes. Não se pode estagnar as técnicas terapêuticas e utilizar somente métodos tradicionais, pois as alterações encontradas em consultórios ao longo dos anos repetem-se; mas, os sujeitos que as possuem são totalmente diferentes, com histórias de vidas e necessidades terapêuticas distintas, além de um desenvolvimento e crescimento característicos do momento em que vivem.

A utilização do computador propicia inúmeros benefícios, pois possibilita o armazenamento e a organização da informação, além de ser um meio de comunicação interativo, oferece estímulo multi-sensorial (imagem, som, animação, virtualidade), diferentes oportunidades de aprendizagem; facilita as trocas de experiências e viabiliza diversas formas de expressão como: oral, escrita e visual(2).

Acredita-se que a utilização do computador na clínica fonoaudiológica propicie uma abordagem terapêutica diferenciada e individualizada para esses pacientes. Salienta-se que esses pacientes são antes de tudo crianças que estão crescendo em um mundo repleto de tecnologias, entre elas o computador. O computador faz parte do cotidiano da maioria das crianças e sua utilização na terapia fonoaudiológica é estimulante para os pacientes, e essencial para os fonoaudiólogos. Além disso, o uso do computador proporciona o contato com um instrumento terapêutico que possibilita múltiplas estratégias que potencializam o desenvolvimento global e auditivo desses pacientes.

Estabelecendo o desenvolvimento Auditivo e Linguistico:

As habilidades são trabalhadas de forma hierárquica, porém à medida que vão desenvolvendo, elas se interligam.

Segundo BOOTHROYD (1982),as etapas se dividem em:

  • Detecção auditiva: quando há presença ou ausência de som.
  • Discriminação auditiva: capacidade de perceber dois ou mais sons e se são iguais ou diferentes.
  • Reconhecimento auditivo: Identificar o som, ou seja, ser capaz de apontar para o estímulo ou repetir o som.
  • Compreensão auditiva: entender o que foi ouvido, sendo capaz de responder ao estímulo.

Deficiência Intelectual

A Deficiência intelectual caracteriza-se por um funcionamento intelectual inferior à media, com manifestação antes dos 18 anos de idade, associado a limitações nas seguintes habilidades:

  • Habilidades Conceituais:
  • Habilidades sociais:
  • Habilidades práticas:

Causas da deficiência Intelectual:

  • Fatores que ocorrem na gravidez, como uso de substâncias químe preicas,álcool,drogas,desnutrição materna; diabetes e doenças infecciosas ( toxoplasmose,rubéola,e sífilis)
  • De alterações genéticas,como erros inatos do metabolismo e as cromossômicas,como as síndromes de Down,X- frágil e Prader-Willi,entre tantas outras;
  • Hipóxia ( oxigenação cerebral insuficiente) e prematuridade no momento no parto;
  • Infecções,desnutrição,etc.;